Fucap :: Uma faculdade inovadora 


ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio é uma prova elaborada pelo Ministério da Educação para verificar o domínio de competências e habilidades dos estudantes que concluíram o ensino médio. O Enem é composto por quatro provas de múltipla escolha, com 45 questões cada, e uma redação.

A finalidade primordial do Enem é a avaliação do desempenho escolar e acadêmico ao fim do ensino médio. As informações obtidas a partir dos resultados do Enem são utilizadas para acompanhamento da qualidade do ensino médio no País, na implementação de políticas públicas, criação de referência nacional para o aperfeiçoamento dos currículos do ensino médio, desenvolvimento de estudos e indicadores sobre a educação brasileira e estabelecimento de critérios de acesso do participante a programas governamentais. O Enem serve também para a constituição de parâmetros para a autoavaliação do participante, com vistas à continuidade de sua formação e à sua inserção no mercado de trabalho.

Para que serve o Enem?

O Enem tem uma série de funções. O exame é usado como um vestibular nacional de uma série de universidades públicas. Com a nota do Enem, o estudante pode se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) , sistema criado pelo governo para selecionar alunos para as instituições públicas de ensino superior. O candidato pode escolher dois cursos de graduação, de diversas instituições brasileiras, de todos os Estados brasileiros. A cada dia o sistema gera as notas de corte das carreiras e assim o estudante pode ter ideia se sua pontuação é suficiente para ser aprovado no curso pretendido.

Os estudantes também utilizam o Enem para conseguir uma bolsa de estudos em uma universidade particular por meio do Programa Universidade Para Todos (Prouni) . Este programa do governo federal oferece bolsas de estudo parciais, de 50%, e integrais de 100%, a estudantes de baixa renda. Para participar, o estudante precisa ter tirado no mínimo 450 pontos no Enem.

Outro programa de acesso ao ensino superior que exige o Enem é o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) , que concede vagas para financiar seus estudos a estudantes que não tem condições de pagar as mensalidades da graduação. O Fies funciona como um empréstimo/financiamento: aluno completa o curso, e depois de formado paga a dívida ao governo, com juros mais baixos, de 6,5% ao ano.

O Enem também é necessário para os estudantes de graduação que queiram fazer um intercâmbio no exterior pelo programa Ciência sem Fronteiras . O mais novo projeto do governo federal quer levar 75 mil estudantes para fazer parte do curso em instituições estrangeiras de excelência. A bolsa inclui todos os gastos e é voltada prioritariamente para áreas de engenharia, tecnologia, biologia e ambiental. Para concorrer a uma vaga, é preciso ter feito 650 pontos no Enem. 

A portaria substitui a regra anterior , vigente desde 2010. O exame, que até o ano passado poderia servir como uma espécie de ¨Diploma do Ensino Médio, agora será voltado principalmente  ao acesso ao Ensino Superior. 

Agora o exame deixa de certificar o ensino médio, tarefa que volta a ser cumprida pelo Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). 

INSCRIÇÕES:

As inscrições do ENEM serão realizadas, exclusivamente pela internet, no site enem.inep.gov.br/participante.

O Enem será aplicado pela primeira vez em dois domingos consecutivos, no primeiro domingo, os estudantes farão provas de ciências humanas, linguagens e redação. Com isso, terá o maior tempo de avaliação: 05 horas e 30 minutos. No segundo domingo, as provas serão de matemática e ciências da natureza, serão: 04 horas e 30 minutos.

VALOR DA TAXA:

O valor da taxa de inscrição do ENEM é de R$ 82,00. Ela deverá ser paga por meio de Guia de Recolhimento da União - GRU Cobrança gerada no ato da inscrição. A GRU pode ser reimpressa durante todo o período de inscrições e deve ser paga até a data do vencimento. Caso contrário, a inscrição não será efetivada.

Estão isentos do pagamento da taxa de inscrição:

1. Os participantes que estiverem concluindo o ensino médio em escola pública, no ano letivo no qual fará o ENEM. Nesse caso a isenção é automaticamente concedida no sistema de inscrição.

2. Estudantes que se enquadrarem nas exigências da Lei 12.799/2013 (renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio, o equivalente a R$ 1.405,50, ou estudantes que cursaram o ensino médio completo em escola da rede pública ou como bolsista integral em escola da rede particular). Nesse caso o participante deve solicitar isenção de taxa no sistema de inscrição e declarar carência. Caso a solicitação seja indeferida, o participante deverá efetuar o pagamento da taxa para ter sua inscrição confirmada.

3. participantes carentes que atendam aos critérios do CadÚnico (sistema de acesso a programas sociais, como o bolsa-família); 

Para os participantes isentos a inscrição somente será confirmada se a declaração de carência for aprovada.

O Inep informa que vai conferir todos os pedidos de isenção. Caso o candidato não se enquadre, poderá gerar o boleto e pagar a taxa para participar do Enem. Se as informações prestadas forem falsas e for constatada concessão indevida de isenção, o participante será eliminado do exame e terá que ressarcir o Inep.

A partir deste ano, o sistema de inscrição permitirá que o participante informe o Número de Identificação Social, do CadÚnico. Para que a isenção seja validada, é preciso que os dados pessoais sejam iguais aos cadastrados na base da Receita Federal.

Os participantes isentos que não comparecerem nos dois dias de prova e quiserem fazer o Enem 2018 sem pagar a taxa terão que justificar a ausência por meio de atestado médico, documento judicial ou boletim de ocorrência. Caso contrário, perderão a isenção.
Há ainda atendimento específico para gestantes, lactantes, estudantes em classe hospitalar e idosos. “Neste ano, esse atendimento será estendido para outras condições. Como pessoas com diabetes. Quem precisar, por exemplo, usar bomba de infusão, as condições necessárias serão providenciadas.”
Também foi anunciada uma mudança no atendimento para inscritos que apresentem deficiência auditiva. “Este ano será apresentada a prova em vídeo em libras. É experimental.” Quem quiser o recurso, no entanto, não terá acesso a provas feita com tradutor intérprete para Libras. A diretora afirmou que a intenção é de que o uso de vídeo, no futuro, substitua totalmente o tradutor intérprete.

 

No quesito segurança, mudam critérios do caderno de questões, que passam a ter nome e número de inscrição do participante. O objetivo é facilitar a identificação de possíveis fraudadores. Os cadernos continuam a ter cores diferentes, mas não será mais necessário assinalar a cor no cartão-resposta. Está mantida a obrigatoriedade de transcrever a frase de segurança do caderno para o cartão-resposta.

Foram alteradas também as regras para o atendimento especializado. A partir de agora, será preciso apresentar, além do código da Classificação Internacional de Doenças (CID), uma cópia digitalizada do laudo médico. “Não precisa ser atualizada. Pode ser do período do diagnóstico”, afirmou a diretora. Encaixam-se nesse atendimento, por exemplo, pessoas com autismo, baixa visão, cegueira, deficiência física, intelectual ou mental, déficit de atenção, discalculia, dislexia, surdez, deficiência auditiva, surdo-cegueira e visão monocular.

O comprovante da inscrição estará disponível no endereço eletrônico enem.inep.gov.br/participante, sendo de responsabilidade exclusiva do participante acompanhar a situação de sua inscrição.

Simulados do ENEM acesse: (http://horadoenem.mec.gov.br/)

MAIORES INFORMAÇÕES ACESSE: (http://www.enem.inep.gov.br/index.html)